quinta-feira, 4 de setembro de 2008

O Deva na praça


Deva é uma palavra sânscrita que significa “Ser Brilhante”. Essa semana, um desses seres esteve por cerca de uma hora na Praça da Fonte.Causou alguma curiosidade e deixou um recado: existem coisas que fogem àquilo que conhecemos.



Levei uma escultura minha para a Praça da Fonte essa semana. A dita ia para São Paulo no dia seguinte e eu queria um registro fotográfico dela com o público. A escultura causou alguma curiosidade. Do alto de seu um metro e noventa de altura, o Deva da Queimada parecia à vontade no clima quente e seco do inverno escaldante da cidade. Ar seco e calor fora de hora é tema que o Deva gigante conhece bem.

Um Deva é um zelador. Dizem alguns que as árvores, assim como todos os seres da natureza, possuem anjos da guarda, como nós. São seres elementais, compostos de energia pura, que trabalham para proteger o ser corpóreo, seu tutelado. Não sei exatamente se isso acontece ou não, nem tenho nenhuma prova da existência desses seres, mas isso não importa. O mais importante é que o Deva da Queimada, escultura de pano e madeira é, além de uma obra artística, um alerta. Um alerta contra as queimadas e o desequilíbrio que essa ação nefasta pode causar ao delicado equilíbrio de nosso planeta, até mesmo aos seres mais elementares e incorpóreos.

Foi interessante ver os trespontanos reagirem ao evento inusitado. Poucos se atreveram se aproximar, mas teve quem veio perguntar o que era, para o que era, de onde vinha. Não sei responder a nenhuma dessas perguntas. Nem sei se elas têm respostas.

A criação de uma peça como o Deva não se norteia pela lógica do consumo. É uma coisa de extrapola as noções de práxis que conhecemos. Por isso, a arte é tão importante. Ela faz lembrar que o mundo é muito mais do que a sobrevivência, mais do que a utilidade, mais do que aquilo que conhecemos.

Atividades artísticas, mesmo que apenas contemplativas, como encontrar na calçada um elemento inusitado, deixam a vida mais rica e nos possibilitam refletir se a vida não é muito mais do que luta. Muito mais do que apenas sobreviver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário