sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Costelações familiares


O trabalho que tem por base a constelação familiar, não é uma terapia no sentido tradicional. Ele traz à luz laços de destino e seus efeitos. Ele ajuda a "ver", sem buscar influenciar o que a pessoa que "vê" fará com o que é visto. O trabalho com a constelação familiar também ajuda as pessoas a sentirem o próprio amor, frequentemente oculto no destino cego, possibilita abrir os olhos para o amor, estabelecendo relações cara a cara. E estabelecer relações de amor nem sempre é uma tarefa fácil nas famílias.

Ao vir ao mundo no seio de uma família, não herdamos somente um patrimônio genético, mas sistemas de crenças e esquemas de comportamento. Nossa família é um campo de energia no interior do qual evoluímos. Cada um, desde seu nascimento, ocupa nesse campo de energia um lugar único.

Estar em uma família nem sempre é uma coisa fácil, aliás, quase sempre é um grande desafio, por isso mesmo, trabalhos como o da Dra. Joy Manné, autora do parágrafo acima, são importantes para redimensionar a visão que temos da nossa constelação familiar e, assim, possibilitar relações mais equilibradas.

Quando compreendemos o campo energético de nossa família, levando em conta o perfil dos genes, crenças e os modelos de comportamento comuns, adquirimos a capacidade de nos distanciar e, dessa forma, ter uma visão ampliada da geografia familiar.

Além da geografia, a história da família, tanto aquela conhecida quanto a oculta, possibilitam esquematizar e delinear no espaço e no tempo os esquemas que atuam em nós de forma consciente ou inconsciente e que costumam nos prender a modelos de comportamento que não desejamos mais.

Quem já não teve a sensação de estar aprisionado a um modelo de comportamento negativo que reproduz um jeito familiar? Por mais consciência que temos desse traço indesejável ele permanece lá, arraigado, fixo.

No âmbito familiar há sempre áreas de trauma anímico, feridas profundas relacionadas com a ruptura do amor em direção à mãe, ao pai, a outras pessoas importantes ou à vida em si mesma. Tais traumas muito frequentemente advém de experiências precoces na infância, época delicada para a formação da alma.

O trabalho com constelações familiares é focado nos processos de vínculo e liberação da alma machucada. Soluções emergem através do olhar para a integridade do sistema de relações.

As feridas podem ser curadas por um processo retroativo de cura na alma entre a criança, mesmo que já esteja adulta, e uma outra pessoa essencial na vida desta projetada, muitas vezes, em um boneco. Através desse processo, há uma ampla área de ligação e liberação nas relações familiares. A solução é encontrada através do reconhecimento das ordens do amor, um sistema que, quando reconhecido, pode nos permitir compreender e perdoar pessoas e situações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário