sábado, 20 de agosto de 2011

Abriga-me



[...] os homens não deixam de fabricar um guarda-sol que os abriga, por baixo do qual traçam um firmamento e escrevem suas convenções, suas opiniões; mas o poeta, o artista abre uma fenda no guarda-sol, rasga até o firmamento, para fazer passar um pouco do caos livre e tempestuoso e enquadrar numa luz brusca, uma visão que aparece através da fenda [...] (DELEUZE; GUATTARI, 1997). O abrigo é um receber. Avizinhar-se é abrigar pela simpatia o que está próximo. O que mais próximo de nós está é o próprio (MVL).  Pode não parecer, mas o abrigo é uma questão filosófica importante. Assim como a inocência. Fui ao dicionário e descobri que, de certa forma, essas duas coisas estão próximas.


§§§



Abrigo. S. m. 1. Lugar que abriga, abrigada, abrigadoiro, abrigadouro. 2. Local que oferece proteção contra os rigores do sol, da chuva, do mar ou do vento.


Abril. S. m. Cronol. 1. O quarto mês dos calendários juliano e gregoriano, com trinta dias. 2. Fig. Idade da inocência e da alegria.


No dicionário, logo após o abrigo vem abril. Verbetes que nos levam a um tempo e espaço...lugar outro. Fico pensando, seria abril um abrigo? Quando somos alegres e inocentes não estamos de todo modo abrigados?


Oferecer proteção não é o que fazemos diante da inocência? Quantos dias na vida senti-me abrigada? Trinta? Quanta chuva peguei, quanto mar afoguei, quanto vento soprei. No sol ardi, longe do abrigo, abriga, abrigada, abrigadoiro, abrigadouro.


No quarto, o abril. No quarto, o abrigo. Quantos dias passei no quarto, trancada, medrosa desejando o abrigo? Trinta? Quanta chuva fugi, quanto mar não entrei, quanto vento aparei. Do sol me escondi dentro do abrigo, abriga, abrigada, abrigadoiro, abrigadouro.


Há alegria de abrigo. Há alegria no fora do abrigo. Coração disparado, medo assustado, alegria no abrigo. Quando ar sufocado, espaço apertado, medo passado, alegria fora do abrigo.


Um abril em mim abriga-me. Alegria e inocência. Proteção. No quarto, quinto, sexto. Um cesto, um abrigo inocente, onde ficar-se abrigada, abrigadoiro, abrigadouro. Abriga-me?


Queria ter teu colo, queria ser um colo, um abrigo alegre fora e dentro. Com vento, com sol, com chuva, com os pés molhados no mar. Sem medo, coração disparado, inocente.


Abril, abrigo, abriga, abrigada. Quantos dias? Trinta?


Impresso e publicado originalmente em 11 de junho de 2011.




Um comentário:

  1. o simples abraço humano
    melhor e maior abrigo
    possivel e imaginável
    na hora mais terrível

    ResponderExcluir