sábado, 26 de maio de 2012

Antes do Naufrágio

O que é viver tragicamente? O herói trágico, em sua jornada, sabe que padecerá. Sabe sim. Que faz ele? Luta antes do fim. Na iminência do fim. Isso nos faz pensar: será o fim, a finalidade, a meta, o objetivo, o que realmente importa? Penso que talvez devêssemos pensar mais sobre isso. Viu o azul?

Leitor, entenda: já se anunciou o naufrágio, sabe-se que afundará em breve.  Leitor, perceba: a lógica é do pior. O pior virá. Fado certo.

Nossa questão agora é: o que acontece antes do naufrágio? Compreenda: o naufrágio virá. Não há como escapar. Devir-naufrágio à vista.

Repito: nossa questão é: o que acontece antes do naufrágio. O que acontece. O que acontece? Resposta: O acontecimento. Sempre ele. Acontecendo incessantemente. Resposta?

Pergunta. Pergunto: a iminência do fim inviabiliza a viagem? Que viagem se dá na certeza de um fim náufrago, de um fim trágico? Fado certo.

Que tipo de viagem faríamos sabendo não chegar ao destino sonhado? Terror? Suspensão do ar? Antecipação do inevitável? Será? Será mesmo? Resposta. Pergunta?

Pergunta. Pergunto. Pergunta difícil. Responderá? Sim? Perguntarei: tu morrerás, leitor? Sim? Resposta certa, precisa. É a vida... Ist das leben... c'est la vie... es la vida... is life...

Vida? Leitor, perguntei se vais morrer e tu respondes "é a vida"? Sim. 

Se vais morrer, também naufragarás. Fado certo. Que tipo de viagem-vida faz-se sabendo que se há de morrer? Terror? Suspensão de ar? Antecipação do inevitável? Será? Será mesmo? Resposta. Certa. Fado. C'est lá vie... la vie... la vie.... Vida? Leitor, compreenda: estamos falando de morte certa, naufrágio e tu me vens com vida?

Para que viver se, com certeza, fado certo, iremos morrer? Viagem impossível? Desprazer? Desistência? Terror? Suspensão do ar? Antecipação do inevitável? Será? Será mesmo?

O que sobra na iminência da morte? Pergunta? Pergunta. Resposta: vida. Ist das leben...

Chega. O que quer dizer com isso, cronista? Fado certo? Naufrágio? Morte? Viu o Azul? Quanto há de azul?

Cronista, estou sob o sol e a infinitude do azul. O jornal faz-me sombra. Que vem tu, matinal, a falar-me morte? Naufrágio? O pior? Pergunto.

Leitor, entenda: se é a vida vida vida antes da morte que virá, fado certo, e tu vives, mesmo assim sob o azul, sob a infinitude do azul, é porque o fim, a meta, o porto, não é o que importa para la vie. 

La vie est: viagem! O durante. O acontecimento - já te disse. Então: pergunto. Pergunta difícil. Por que todo o resto não é assim?

Impresso e publicado em 10 de setembro de 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário