terça-feira, 1 de maio de 2012

Tudo passa

Há momentos em que a máxima "tudo passa, isso também passará" pode ser libertadora. Nas situações em que o tempo sai dos eixos, como diz Shakespeare em Hamlet, lembrar disso pode ser a diferença. Quando estamos em meio a uma situação ruim que parece eterna, lembrar que ela também vai passar é uma saúde. 

Tudo passa. Eles passarão eu passarinho. Adoro Mário Quintana. Já tive épocas de andar com o Caderno H debaixo do braço. É de lá o instigante poema intitulado "Poeminha do contra" que citei acima e repito na íntegra agora:

"Todos esses que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão...
Eu passarinho!

Aprovo esse "eu passarinho". A conjugação do verbo passar fica genial: "Eles passarão, eu passarinho, tu passarás, nós passaredo, tudo passa". Estou feliz, feliz assim dá até vontade de poetar. 

Passou, pergunta o leitor? Eu falo não sei se passei (na seleção), mas tudo passa. O tempo do ontem foi infinito na finita duração. A intensidade dilatou o tempo e intensificou a permanência. Fez do instante eternidade, tempo ampliador de  sensações.  Mas tudo passa, isso também passará. Isso também já passou.

O que fica? Pergunta boa. Resposta impossível. O que fica? A certeza de que tudo passa fica. E essa certeza me alegra e aquece. Tudo passa, as boas e não tão boas coisas.

A certeza do tudo passa é salutar naqueles momentos em que as coisas estão bem ruins. Muitas vezes, em meio a uma situação corriqueira das mais desagradáveis, falo para mim mesma: vai passar.  Saber que o ruim também passa pode nos deixar mais serenos.

O exercício é lembrar disso nas situações limites, como a que eu vivi recentemente. Situações em que o tempo perde o ritmo, como diz Shakespeare, a partir da fala de Hamlet: “The time is out of the joint/ O tempo está fora dos eixos”. 

Nessas ocasiões, em que tudo parece eterno, se conseguirmos ouvir a voz do instante que salva sussurrar: tudo passa... isso também passará. Quem sabe esse sussurro não será capaz de nos tirar das mais incríveis enrascadas e aflições? Tudo passa, sobretudo o que é ruim, terrível, insuportável, desagradável, desafiador, isso também passará.

Impresso e publicado em 30 de outubro de 2010.


Nenhum comentário:

Postar um comentário